Tricô, Programação e Matemática

Pic Nic ônibus Hacker

Enquanto aqui estou num domingo, finalizando a última carreira de um doily, contando *1 PA, 1 corr* 15 vezes, fico pensando “por que alguém fica pensando em matemática num domingo, por queeeeee?”.
Aí lembrei que, no início de Setembro realizamos uma ação para decorar o ônibus Hacker, lembram? Nessa ocasião, alguns dos hacker do ônibus aprenderam a bordar, fazer tricô e crochê. Enquanto nós achavamos que seria um interesse do momento, eles levaram o aprendizado bem a sério.

Cada dia que eu vejo que o Fabricio Zuardi postou algo novo no instagram, eu já fico relembrando todas as receitas que tenho salvas o ravelry para tentar imaginar qual ele pode ter feito. Em três meses crochetando, ele já fez uma nova pulseira para relógio, porta chaves individuais, flores, dinossauros, corações, abóbora de halloween e UM PRESÉPIO, além de ter dado um curso básico de crochet numa das convenções que ônibus foi ao Paraguai e todos saíram com uma caveira de crochet nas mãos.

Mas a minha vontade de pedir demissão e deixar meu cargo aberto para ele foi com esse vídeo:

Porém, Fabrício não é o único. Até aonde ficamos sabendo, quase todos integrantes do ônibus hacker estão com as agulhas na mão. A tatiana Tsukamoto sempre posta também seus trabalhos, como a caixa de feira que ela forrou (vocês terão que seguir a Tati no instagram para ver). O melhor que recebemos foram algumas conversas por email entre eles:

– duas coisas
– manda
– 1) estou apanhando do crochet. comprei uma agulha de 1,75mm e ela é infernal.
– 2) latinoware, chego lá na segunda 15 e volto domingo 21

—–

– chamamos mais programadores?
– olha tá saindo direitinho agora. não pulei mais pontos
– não sei se precisa
– o busão tem que ir pra mecanica de novo, né?
– tem… precisamos achar um armarinho perto de casa. quero mais agulhas

E o que o tricô/crochê e a programação tem em comum? a Matemática. Afinal, a programação, o sistema binário, surgiu inspirado nas cartelas perfuradas que o Sr. Joseph Marie Jacquard desenvolveu para criar desenhos em tricô nas primeiras máquinas lá em 1800. Elizabeth Zimmermann, uma das lendárias tricoteiras dos anos 60, usa pitágoras como explicação para algumas receitas. Mas quem mais me emociona nesse mundo é Margaret, que comprovou uma teoria matemática com crochê e corais:

E eu, que tenho uma máquina e estou prestes a comprar a segunda, não posso deixar de ficar tentada a hackear elas como essa:

Além disso, saibam todos que quem gerencia o departamento de matemática da IBM é Brenda Dietrich, uma tricoteira de mão cheia que diz que Tricô é matemática avançada.

Isso me faz pensar somente em uma frase para finaizar esse post:

TAMU JUNTO!

Vamos encher a cidade de flores?

Para quem não participou ainda, é simples: entre no Florindo.me, escolha sua flor para bordar, tricotar ou crochetar.

Pense num jeito de deixar sua flor pela sua cidade: amarrada numa árvore, num poste, na janela do ônibus, ou onde seu espírito primaveril mandar.

O grupo que está organizando a ação, do qual o Tricotarde faz parte, criou também uma etiquetinha pra você imprimir e colocar junto da sua flor. Está tudo lá no site Florindo.me.

Aí tire uma foto e poste no Facebook da ação

Veja aqui algumas das flores colocadas na rua no início dessa semana, um começo de primavera meio chuvoso.

 

Ação do-it-yourself em São Paulo dia 02/09

Combinando duas atividades numa ação inusitada, no dia 02/09 vamos para uma praça de São Paulo (praça Horácio Sabino) realizar uma mega oficina que vai misturar tecnologia com trabalhos manuais. A ação pode ser acompanhada nesse link da página no Facebook.

A ideia colocará juntas duas lógicas do faça-você-mesmo (ou DIY, em inglês): a ética hacker, que prega que devemos aprender a manipular dados digitais, e a cultura manual envolvida no tricô, no crochê, na costura.

O evento é aberto a qualquer pessoa que queira colocar a mão na massa bordando, costurando, tricotando ou crochetando. Quem não estiver em dia com suas habilidades manuais, pode ir com boa vontade e energia positiva para aprender e ajudar. Quem já for praticante de qualquer técnica deve levar seus materiais de trabalho, inclusive  sobras de materiais ou pedaços inacabados de tricô ou crochê.

Todos devem levar também comidinhas e bebidinhas, além de cangas para sentar na praça.  Cachorros e filhos são bem-vindos.

O produto desse encontro, aberto a quem quiser participar, serão capas para o ônibus hacker. Estas capas terão que ter os nomes de alguns dos contribuintes do ônibus, que foi financiado coletivamente na plataforma Catarse.

* a ação foi lançada há duas semanas dentro da plataforma online voltada para a colaboração, chamada “Go-Do” (em bom português, “vá fazer”).

Dia: 02/09 (domingo)

Horário: das 10h às 18h

Local: parça Horácio Sabino, a 10 minutos do metrô Sumaré (Perdizes, São Paulo)

 

The Big Knit

Eu sempre gostei dessa marca inglesa de bebidas naturais, a Innocent Drinks. Mas eles me conquistaram de vez quando topei com a campanha que vou contar aqui, chamada The Big Knit.

O vídeo explica tudinho, mas é em inglês. Mas vale a pena dar uma olhadinha, dá pra entender boa parte da coisa.

Pra quem não entendeu tudo, o que acontece é o seguinte: eles convidam pessoas para tricotar touquinhas e chapeuzinhos para as embalagens de seus sucos e smoothies. Recebem esse material (ano passado foram 650.000 peças!!!!!) e “vestem” a bebida em alguns supermercados parceiros. A partir daí, 25 cents (uns R$ 0,80) ca cada garrafinha vendida é revertido para uma ONG que ajuda pessoas idosas a se aquecerem no frio do inverno, que lá na Inglaterra é bem mais enregelante que aqui no Brasil.

Eles começaram a ação em 2003 e levantaram £ 10,000.00. Ao todo já foram £ 1 milhão de libras levantadas!!! (para saber em Reais uma conta aproximada é multiplicar esse número por 3). Acho bonita a ação, maravilhoso o envolvimento das pessoas e principalmente gosto da continuidade da ação. Marcas que decidem “fazer o bem” uma vez que outra, e com ações que mudam a cada “campanha” deixam de fazer coisas grandiosas como esta. Adoro a forma como a Innocent Drinks apostou nessa ação e merecidamente viu ela crescendo ano a ano, transformando-se nessa mobilização gigante que envolve a minha paixão, o tricô!

Imagina chegar no supermercado e no meio daquelas gondôlas sem vida e encontrar produtos com touquinhas feitas por milhares e milhares de pessoas – detalhe: uma diferente da outra – na garrafinha. E saber que ao comprá-la ainda está fazendo uma doação. Cute.