Tricô, Programação e Matemática

Pic Nic ônibus Hacker

Enquanto aqui estou num domingo, finalizando a última carreira de um doily, contando *1 PA, 1 corr* 15 vezes, fico pensando “por que alguém fica pensando em matemática num domingo, por queeeeee?”.
Aí lembrei que, no início de Setembro realizamos uma ação para decorar o ônibus Hacker, lembram? Nessa ocasião, alguns dos hacker do ônibus aprenderam a bordar, fazer tricô e crochê. Enquanto nós achavamos que seria um interesse do momento, eles levaram o aprendizado bem a sério.

Cada dia que eu vejo que o Fabricio Zuardi postou algo novo no instagram, eu já fico relembrando todas as receitas que tenho salvas o ravelry para tentar imaginar qual ele pode ter feito. Em três meses crochetando, ele já fez uma nova pulseira para relógio, porta chaves individuais, flores, dinossauros, corações, abóbora de halloween e UM PRESÉPIO, além de ter dado um curso básico de crochet numa das convenções que ônibus foi ao Paraguai e todos saíram com uma caveira de crochet nas mãos.

Mas a minha vontade de pedir demissão e deixar meu cargo aberto para ele foi com esse vídeo:

Porém, Fabrício não é o único. Até aonde ficamos sabendo, quase todos integrantes do ônibus hacker estão com as agulhas na mão. A tatiana Tsukamoto sempre posta também seus trabalhos, como a caixa de feira que ela forrou (vocês terão que seguir a Tati no instagram para ver). O melhor que recebemos foram algumas conversas por email entre eles:

– duas coisas
– manda
– 1) estou apanhando do crochet. comprei uma agulha de 1,75mm e ela é infernal.
– 2) latinoware, chego lá na segunda 15 e volto domingo 21

—–

– chamamos mais programadores?
– olha tá saindo direitinho agora. não pulei mais pontos
– não sei se precisa
– o busão tem que ir pra mecanica de novo, né?
– tem… precisamos achar um armarinho perto de casa. quero mais agulhas

E o que o tricô/crochê e a programação tem em comum? a Matemática. Afinal, a programação, o sistema binário, surgiu inspirado nas cartelas perfuradas que o Sr. Joseph Marie Jacquard desenvolveu para criar desenhos em tricô nas primeiras máquinas lá em 1800. Elizabeth Zimmermann, uma das lendárias tricoteiras dos anos 60, usa pitágoras como explicação para algumas receitas. Mas quem mais me emociona nesse mundo é Margaret, que comprovou uma teoria matemática com crochê e corais:

E eu, que tenho uma máquina e estou prestes a comprar a segunda, não posso deixar de ficar tentada a hackear elas como essa:

Além disso, saibam todos que quem gerencia o departamento de matemática da IBM é Brenda Dietrich, uma tricoteira de mão cheia que diz que Tricô é matemática avançada.

Isso me faz pensar somente em uma frase para finaizar esse post:

TAMU JUNTO!

Ação do-it-yourself em São Paulo dia 02/09

Combinando duas atividades numa ação inusitada, no dia 02/09 vamos para uma praça de São Paulo (praça Horácio Sabino) realizar uma mega oficina que vai misturar tecnologia com trabalhos manuais. A ação pode ser acompanhada nesse link da página no Facebook.

A ideia colocará juntas duas lógicas do faça-você-mesmo (ou DIY, em inglês): a ética hacker, que prega que devemos aprender a manipular dados digitais, e a cultura manual envolvida no tricô, no crochê, na costura.

O evento é aberto a qualquer pessoa que queira colocar a mão na massa bordando, costurando, tricotando ou crochetando. Quem não estiver em dia com suas habilidades manuais, pode ir com boa vontade e energia positiva para aprender e ajudar. Quem já for praticante de qualquer técnica deve levar seus materiais de trabalho, inclusive  sobras de materiais ou pedaços inacabados de tricô ou crochê.

Todos devem levar também comidinhas e bebidinhas, além de cangas para sentar na praça.  Cachorros e filhos são bem-vindos.

O produto desse encontro, aberto a quem quiser participar, serão capas para o ônibus hacker. Estas capas terão que ter os nomes de alguns dos contribuintes do ônibus, que foi financiado coletivamente na plataforma Catarse.

* a ação foi lançada há duas semanas dentro da plataforma online voltada para a colaboração, chamada “Go-Do” (em bom português, “vá fazer”).

Dia: 02/09 (domingo)

Horário: das 10h às 18h

Local: parça Horácio Sabino, a 10 minutos do metrô Sumaré (Perdizes, São Paulo)

 

Agata Olek

A artista polonesa Agata Olek, conhecida por suas instalações em que forra tudo em crochets, esta no Brasil 🙂

40 Under 40 Craftfutures

A artista conhecida como uma das principais yarnbombers mundiais, começou a utilizar o crochet como base do seu trabalho por ser uma maneira de fazer arte sem deixar de lado uma paixão: assistir filmes.

Knitting is for Pussies

Piano

Em uma semana, crocheteiras recrutadas e auxiliando o trabalho da artista, cada uma esta fazendo quadrados seguindo os padrões utilizados pela artista para formar tendas que ela estará expondo no Sesc Interlagos durante a Mostra Sesc de Artes. Mas, já é possível ter uma amostra do trabalho da artista lá na Galeria Choque Cultural, na Rua João Moura 🙂

Estamos adorando trabalhar com a artista.

Little Land

Coelha Clementina – Little Land

Ano passado, Leticia Lima resolveu largar a arquitetura e se dedicar a um projeto (ou melhor, um mundo) completamente novo: a criação infantil em crochet manual.
Após uma viagem ao Chile, voltou com lãs e idéias na cabeça…e nos pés das crianças.
Ao me contar a idéia e compartilhar a vontade de desenvolver a marca, me vi pensando em chifres de rinoceronte, olhos de sapo, patas de dinossauro e jubas de leão.

Assim nasceu a Little Land, uma marca que poetiza o manual para crianças, com amigurumis, cobrecucas e tapapé.

Cobrecuca de Sapo

Girafa Matilda

Tapapé Urso

Tapacuca Leão

E a minha inspiração enquanto auxiliei no desenvolvimento da coleção foi sempre uma música que embalou a minha infância.